A origem do techno é negra - Bem Bolado Brasil
Onde encontrar

Blog

A origem do techno é negra

A origem do techno é negra


Por Bem Bolado Brasil

Conheça coletivo de artistas negros que está redefinindo a cena eletrônica no país

A data do Dia da Consciência Negra pede uma reflexão a respeito do papel dos negros na sociedade; assim, vale a pena levar este pensamento para o âmbito da música. No caso, na eletrônica, já que os negros tiveram papel fundamental nas origens do techno e da house.

Nos anos 1980, DJ’s negros como Juan Atkins e Derrick May, bem como Kevin Saunderson, estudavam na mesma escola. Dessa forma, começaram as origens do techno em Detroit, criando o conhecido  “Belleville Three”. Por sua vez, a house, em Chicago, teve Frankie Knuckles como principal protagonista em suas origens sonoras.

Coletividade NÁMÍBIÀ

Apesar da proliferação desses estilos musicais, é raro encontrar DJ’s negros em ação nos grandes eventos de techno e house no Brasil. Em suma, esse foi um dos motivos catalisadores para o surgimento da Coletividade NÁMÍBIÀ, projeto encabeçado pela performer Euvira, que começou a atuar na cena underground paulistana dançando nas festas do selo e coletivo Mamba Negra. “Comecei a questionar os produtores das festas por que eu era o único negro em papel de destaque”, afirma a artista, que estudou na UFBA e tem o tradicional Bar do Marujo, em Salvador, como primeiro espaço de atuação.

De acordo com Euvira, “A nossa representatividade tem sido construída coletivamente nos tempos de hoje. Uma das ferramentas de suporte pra que o cenário branco fosse mudado foi criar nossa própria força coletiva. Hoje, conquistamos uma maior visibilidade e trabalhamos com o estímulo e também capacitação para que mais artistas negrxs ocupem seus espaços”, afirma a DJ Lu Escarbe, uma das organizadoras do coletivo Ayo. Atuante em Belo Horizonte, o grupo de DJ’s negros é composto por Gabi Nass, Sandieg e Opala, bem como Podeserdesligado e Laryssa Braga.

Na semana do Dia da Consciência Negra, que tal brisar ouvindo DJ’s brasileiros? Afinal, essa turma sabe transformar uma boa lombra em som.

Os DJ’s

Aretha Sadick 

Aretha solta o vozeirão para versos sobre o mundinho gay e a jogação na noite paulistana. Suas performances impressionam e também incomodam as mentes mais fechadas e retrógradas, além de embaladas por bases eletrônicas primorosas.

Conheça: facebook.com/sadickissessoundcloud.com/adalaive

Miuccia
Afro tech, house e disco, além de musicalidades africanas, compõem o projeto musical da DJ e produtora Miuccia. Afinal, Ana Carolina pensa nos tipos da eletrônica e nas fronteiras estabelecidas com outros gêneros. Além disso, suas referências musicais também têm hip-hop, trap e bass.

Neste ano, Miuccia, produziu uma faixa pra coletânea Tormenta Hits Vol. II. Na construção dos seus sets, sempre se preocupa em trazer a sua identidade, pesquisando músicas produzidas por mulheres e sonoridades negras.

Conheça: mixcloud.com/miuccia

Guedes Jaca

Envolvido com a música eletrônica desde o início da década de 90, Guedes frequentou alguns clubes lendários na capital de São Paulo. Além disso, é um dos idealizadores e residente da Festa Jaca. Taméb já se apresentou em alguns clubes e festas importantes da cena noturna de São Paulo.

Conheça: mixcloud.com/guedes-jaca

Max Underson
Max Underson conquistou a atenção dos ouvidos mais exigentes com sets sofisticados e mixagens precisas. Grande apreciador da música eletrônica desde os anos 90, Max foi adquirindo um estilo único e refinado. Assim, sua identidade musical emotiva e dançante tornaram-se suas marcas.

Sempre atento a vanguarda da música eletrônica underground, também está sempre preparado para arriscar seu repertório com sets cheios de histórias. Assim, como produtor, Max já lançou por muitos selos nacionais de destaque.

Conheça: soundcloud.com/max-underson

Guillerrrmo
Projeto de acid house e techno iniciado em 2014 pela manauara Viviane Mendes, com influências que vão dos álbuns de disco que ouvia na infância, além de chicago house e detroit techno. Labels como L.I.E.S, Hyperdub, warp, DFA, por exemplo, modelam o desenvolvimento do projeto.

Conheça: soundcloud.com/guillermo321

DJ Alberto Neto
Sua pesquisa musical foca na house, disco, tech house e minimal. Formou-se em estilismo no Rio de Janeiro e sempre soube associar diversão e bom gosto. A princípio, seu  trabalho com música foi o projeto do MC Supablack, que criou junto com amigos.

Conheça: soundcloud.com/djlabertoneto